quarta-feira, 5 de junho de 2019

Resenha | A bailarina de Auschwitz, de Edith Eva Eger

Quanto sofrimento é possível carregar ao longo dos anos? “A bailarina de Auschwitz” é um dos lançamentos de 2019 da Editora Sextante e conta uma história de sofrimento, dor e superação.

Edith Eva Eger

O ENREDO

Neste livro nós vamos conhecer a história de Edith Eger. Ela era uma bailarina de 16 anos e tinha sua adolescência normal, como qualquer garota. Ela vivia com seus pais e suas irmãs, mas tudo mudou quando o exército alemão invadiu o seu vilarejo na Hungria.

Toda a família foi levada pelos nazistas. Edith viu seus pais caminhando para a câmera de gás. Tudo que restou foram apenas as memórias de seus pais e as suas irmãs. Uma irmã teve um caminho diferente para sobreviver a este holocausto e outra permaneceu junto com ela nesse enorme sofrimento.


"Às vezes, a dor nos empurra e às vezes, a esperança nos puxa. Perguntar "por que agora?" não é apenas fazer uma pergunta, é perguntar tudo." (pág. 17)

Dia após dia ela precisava lutar para sobreviver e precisava encontrar forças para lutar pela vida de sua irmã também. Era humilhação, fome e todo sofrimento que assombrava aquela época.

Edith Eva Eger
Edith foi uma das poucas pessoas que sobreviveram à essa terrível tragédia da história. Hoje, formada em psicologia, ela escolheu perdoar todos que lhe causaram algum sofrimento no passado e seguir sua vida sem nenhum remorso.



A PERSONAGEM

Edith é uma mulher incrível! Eu não consigo imaginar como foi viver naquela época. Quanta dor e sofrimento ela e milhares de pessoas não enfrentaram? Quantas pessoas não conseguiram lutar ou nem tiveram a chance disso? Um acontecimento trágico da nossa história.

Como esse livro é narrado pela própria sobrevivente, nós conseguimos sentir todas as suas dores e seu sofrimento! Isso parte o coração de qualquer leitor, principalmente daqueles que gostam de escritas na narrativa da segunda Guerra. É realmente emocionante!


"Cada momento é uma escolha. Não importa quão frustrante, chata, limitadora, dolorosa ou opressiva for nossa experiência, podemos sempre escolher como reagir." (pág. 178)

O que mais me emocionou neste livro foi a forma como Edith lutava pela sua vida, jamais deixando a fome e qualquer outra coisa atrapalhar essa sua determinação, e como apesar de tudo ela encontrava força para lutar pela sua irmã e até mesmo encontrar esperança.


Edith Eva Eger

A NARRATIVA

Como citado acima, é um livro que vai te trazer lágrimas e deixar seu coração partido em muitos pedaços. É impossível não se emocionar e até mesmo vivenciar tudo com total intensidade. Edith foi uma sobrevivente da guerra! Ela tem uma grande história para contar.

Depois de ter sobrevivido ao pior acontecimento, ela teve coragem e força para superar e seguir em frente. Casou-se, teve filhos e cursou uma faculdade de psicologia e isso me fez pensar: quantas pessoas tiveram a sua vida interrompida por conta do exército alemão? E quantas tiveram a chance de sobreviver?


"Eu queria entender por que as pessoas escolhem fazer uma coisa e não outra, como resolvem os desafios diários e sobrevivem a experiências devastadoras, como convivem com o passado e com seus erros, como as pessoas se curam." (pág. 193)

O fato dela contar a sua história de vida é bem emocionante! Ela conta toda a sua trajetória durante a Guerra e como foi viver com esse trauma por longos anos de sua vida. Cursar psicologia foi algo que a ajudou a superar todos seus medos e até mesmo aprender perdoar (o que me faz pensar que eu não sei se conseguiria perdoar alguém por todas as mortes).



FINALIZANDO...

Edith Eva Eger
A bailarina de Auschwitz” é uma história real; uma história de uma sobrevivente do holocausto. Uma história sobre sofrimento, dor e superação.

Este livro me mostrou que você precisa perdoar o próximo, mas precisa se perdoar e acreditar em você antes de tudo. Nada adianta viver com mágoa guardada no coração. É preciso se libertar dessa dor para viver em paz.


"Se entendi alguma coisa sobre aquela tarde, sobre minha vida inteira, é que às vezes os piores momentos de nossas vidas, aqueles que nos arrebatam em uma teia de desejos horrendos, que ameaçam nos desgastar com a absoluta impossibilidade oferecida pelo sofrimento que devemos suportar, são de fato os momentos que nos levam a entender o nosso valor." (pág. 226)

Se você gosta de um livro com narrativa na Segunda Guerra Mundial e que ao mesmo tempo aborde o crescimento de uma mulher e a superação por uma tragédia, esse livro é super recomendado!

Sinta todas essas emoções. Chore e ultrapasse todas as barreiras junto com Edith. Conheça mais sobre essa incrível e emocionante história.


"Quando reconhecemos e assumimos a responsabilidade por nossos sentimentos, aprendemos a reconhecer e assumir a responsabilidade pelo papel que desempenhamos na dinâmica que molda nossos relacionamentos." (pág. 266)


Avaliação: 4 ❤ - adicione no skoob: a bailarina de Auschwitz
*livro recebido em parceria com a editora arqueiro.

Título original: The choice
Escritora: Edith Eva Eger
Editora: Sextante
Páginas: 304
Lançamento: 2019
Gênero: autoajuda / biografia / guerra mundial

SINOPSE
 Edith Eger era uma bailarina de 16 anos quando o Exército alemão invadiu seu vilarejo na Hungria. Seus pais foram enviados à câmara de gás, mas ela e a irmã sobreviveram. Edith foi encontrada pelos soldados americanos em uma pilha de corpos dados como mortos. Mesmo depois de tanto sofrimento e humilhação nas mãos dos nazistas, e após anos e anos tendo que lidar com as terríveis lembranças e a culpa, ela escolheu perdoá-los e seguir vivendo com alegria. Já adulta e mãe de família, resolveu cursar psicologia. Hoje ela trata pacientes que também lutam contra o transtorno de estresse pós-traumático e já transformou a vida de veteranos de guerra, mulheres vítimas de violência doméstica e tantos outros que, como ela, precisaram enfrentar a dor e reconstruir a própria vida. Este é um relato emocionante de suas memórias e de casos reais de pessoas que ela ajudou. Uma lição de resiliência e superação, em que Edith nos ensina que todos nós podemos escapar à prisão da nossa própria mente e encontrar a liberdade, não importam as circunstâncias.

24 comentários:

  1. Olá! História sempre foi minha matéria favorita, então adoro livros que retratam acontecimentos históricos e principalmente aqueles que abordam a Segunda Guerra Mundial. Por mais que eu tente, nunca conseguirei imaginar com exatidão tudo o que aquelas pessoas sofreram, as humilhações, os direitos retirados, e tantas outras coisas.
    Achei uma grande lição Edith perdoar aqueles que causaram tanto mal a ela e a outras tantas pessoas. Como você disse, acho que eu também não sei se conseguiria perdoar alguém por tantas atrocidades cometidas com pessoas inocentes.
    O livro parece de fato cheio de emoção. Pretendo o ler em breve.
    Muito obrigada pela indicação!
    Brijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca fui fã de história haha mas adorava quando o assunto era Segunda Guerra. Infelizmente é algo tão triste, que me comoveu em diversos aspectos. Tenho certeza que você vai amar essa leitura.

      Excluir
  2. Oiii ❤ Esse livro parece daqueles difíceis de se ler por causa do tema abordado. É difícil imaginar o quão terrível foi para Edith ver seus pais e irmãs morrerem e passar pelo holocausto. Só de ler a resenha já estou com o coração na mão, imagine lendo o livro.
    Fico admirada em como Edith consegue perdoar quem lhe infringiu tanto sofrimento. Perdoar algo assim é muito difícil, as vezes temos dificuldades pra perdoar coisas menores que essas, imagine alguém que passou pelo holocausto conseguir perdoar.
    Gostei muito da trama, espero ler em breve. Prevejo muitas lágrimas ao fazer essa leitura ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os momentos que ela enfrentou foram difíceis demais e imagina quanta dor e sofrimento ela não passou durante esses anos?! Perdoar é algo que me surpreendeu no livro também, mas tudo tem a sua explicação. Vale muito a leitura!

      Excluir
  3. Nossa, que livro heim. Só imagino o quanto a gente sente ao ler. Gosto de ler sobre esse tema por sempre aprender um pouco mais dele e parece que esse é daquele tipo de livro que faz você ver a vida e as mágoas, dor e perdão de uma forma diferente. Não consigo imaginar a força de uma pessoa pra superar e perdoar tanta desgraça quanto o que ela viveu. É muito sofrimento e precisa ter uma determinação e esperança na vida e nas pessoas que quase é impossível de imaginar. Mas ao mesmo tempo ao ver algo assim a gente começa a pensar nas besteiras que passa e valorizar muito mais essas pequenas bobagens que passa, porque olha essa mulher! Meu Deus, não consigo nem imaginar, só fico admirada mesmo. Gostaria muito de ler pra saber melhor essa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente sempre aprende um pouco com esses livros com temática da Segunda Guerra, né? Exatamente isso que você falou! A gente começa a pensar e ver que existem coisas mais importantes na vida e não ficar valorizando besteiras.

      Excluir
  4. Quero muito ler esse livro e tantos outros de nao-ficcao da segunda guerra mundial. É doloroso, mas nao se pode esquecer do que aconteceu no passado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem doloroso, mas infelizmente é algo que faz parte da nossa história.

      Excluir
  5. Olá Fabiana!
    Uma obra autobibliográfica como essa é um tesouro, pois mostra a realidade nua crua vivida pela autora. Pela resenha deu para perceber que ela consegui evoluir mesmo com todo o sofrimento. Essas reflexões que você propôs só aumentam a minha indignação de tantos futuros perdidos. Eu também não sei se teria tanta nobreza para perdoar, mas a experiência de vida de Edith deve ter contribuído bastante para que ela tomasse essa decisão.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não conseguia entender o perdão dela, mas você vai entendendo melhor conforme a leitura vai avançando e tudo mais. É um livro que vale muito a leitura!

      Excluir
  6. São leituras tão dolorosas, mas tão essenciais! A gente acaba não pensando muito no que a humanidade fez não tem nem 100 anos! Gosto muito de ler livros com a temática da Segunda Guerra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São essenciais mesmo. Aprendemos muito com elas! Acho que você vai amar este livro.

      Excluir
  7. Não conhecia esse livro mas já fiquei interessada. Agora a pouco li um livro chamado Indiana onde a personagem tem uma vida paraecido ao que foi citado em sua resenha. Com certeza essas pessoas sofreram coisas inimagináveis e precisamos lembrar para não permitir que se repitam.
    Amei suas impressões cheias de emoção e dica anotada. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conheço esse livro que você citou, mas já vou procurar sobre ele :D

      Excluir
  8. Oi Fabiana.

    Eu ainda não tinha lido nenhuma opinião sobre o livro e gostei bastante das informações que deixou na resenha. Não sabia que essa história foi real e pela sua resenha é uma história interessante e muito dolorida. Obrigada pela dica, vou adicionar na minha lista de desejados. Quero ler este livro logo.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Livros com temática da Segunda Guerra são sempre tocantes, né? Acredito que vai amar essa leitura.

      Excluir
  9. Oi! Eu particularmente, gosto de livros com a temática da segunda guerra de pano de fundo. É um assunto que sempre me atraiu e que eu gosto de saber mais sobre. Já vi algumas resenhas deste livro e sei que vou gostar muito da história. O fato da personagem ser uma adolescente que está iniciando sua vida, carregando sonhos e desejos, e vê tudo se perder quando a guerra chega. Eu sempre digo, que qualquer romance ambientado nessa época, deveria ser lido por todos, porque essa mancha não pode nunca ser apagada da memória da humanidade. Obrigada pela resenha!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso! Todos deveriam ler livros com essa temática e sentir no fundinho do coração como eram as coisas na Segunda Guerra. São livros essenciais!

      Excluir
  10. Eu tenho um fraco por leituras que se passam nesse período, então já estou de olho nele.
    Mas depois da intensidade dessa resenha, vai para lista de desejados.
    Sempre fico destruída com essas histórias, com a realidade que foi enfrentada, mas ler a história de uma sobrevivente tem um gostinho especial.
    Espero ler em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então prepare-se para ler este livro. Uma história real e cheia de dor e sofrimento. Garanto que vai se emocionar.

      Excluir
  11. Oie! Tudo bem?

    Eu adoro ver filmes que se passam nessa época mas acho que não consigo ler, não sei pq tenho essa barreira ☹️ Acho incrível essas histórias de superação e sempre fico depre de lembrar que a humanidade foi capaz de fazer uma coisa como essa!

    Ótima resenha!

    Beijos
    www.thereviewbooks.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tinha um pequeno receio de ler também, mas desde que decidi enfrentar essas leituras, tem sido muito bom! É difícil, mas essenciais. Espero que leia alguma <3

      Excluir
  12. Olá!
    Livros que retratam aquela época me deixa com muita náusea para ler, tentei muito ler O menino do Pijama Listrado mas quando começo me dar aquele aperto na garganta e simplesmente desisto, eu pretendo muito ler porém não estou preparada. Esse deve ser uns daquele livro que terei uma certa dificuldade em ler mas espero muito que eu consiga.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  13. Amo livros desta temática e esse está na minha lista! Espero conseguir ler em breve. Amei ler a sua resenha, me deu a certeza de que vou amar!

    ResponderExcluir