Resenha: Dangerock, de M.S Fayes

janeiro 12, 2018

Em algum momento da sua vida você já se imaginou uma estrela do rock? Ter fãs enlouquecidos correndo atrás de você, garotos lindos, cartas românticas e tudo que a fama pode proporcionar? Esse era o sonho de Eve Mcgannon.



Eve é a vocalista da banda DangeRock. A banda começou desde quanto todos estavam no colégio. Eles se conhecem desde quando pequenos, principalmente Eve e Brandon Conwell que, além de tudo, são vizinhos. Além de deles, a banda também é composta por Malcom e Phil.

A amizade entres eles é algo admirável. Apesar de todos os momentos que já viveram, estão sempre juntos. E antes sua amizade com Brandon ficasse apenas nisso: assim como a sua voz é capaz de conquistar várias pessoas, ela não tem coragem de expressar seus sentimentos pelo seu melhor amigo. Aliás, como ela faria algo assim? O que seria da amizade deles depois que tudo fosse declarado?


"A pressão era intensa. Amar e não ser correspondida por tantos anos, ser reconhecida por uma pessoa que menos se espera, tomar esporro daqueles que você mais preza... isso é capaz de deixar uma garota em frangalhos." (pág. 26)


Mas Eve tem que focar na carreira e a banda recebe uma grande oportunidade: tocar com outra banda, com uma banda com muito sucesso, com o maravilhoso Mitch e milhões de fãs! É a oportunidade perfeita para que a banda decole e Eve consiga disfarçar melhor os seus sentimentos.

Só que é onde ela se engana. Com essa parceria, Brandon ficará enciumado de ver o envolvimento de Eve com o vocalista Mitch e o coração da garota começará a ser disputado. Quem vencerá essa batalha e levará o coração da estrela do rock?


"O silêncio fala muitas vezes mais do que as palavras. Isso era um fato. E quando as pessoas dizem que os olhos revelavam a alma da pessoa, cara... acreditem... era real." (pág. 100)



Desde quando li Rainbow da autora, eu me apaixonei pela escrita e pelo envolvimento que ela traz entre o leitor e os personagens. Além disso, MS Fayes aborda temas importantes e reflexivos, e nesse livro não foi diferença: ela relatou sobre o assédio sexual.

Apesar do tema forte, o livro não fica completamente baseado nisso. É focado bastante nos sentimentos da personagem e no crescimento da banda. Há também descobertas e grandes escolhas que mudam completamente o rumo da história.


"Só enxergamos o que tínhamos quando já não temos mais. E a dor da perda é uma merda. Fazemos coisas inimagináveis quando percebemos o erro para tentar evitar a dor." (pág. 137)


DangeRock é praticamente narrado na visão de Eve, mesmo em alguns momentos apresentando a visão de Brandon e os outros membros da banda (e até mesmo de Mitch). Em alguns momentos essa mudança de narrativa pode parecer confusa mesmo quando sinalizada, mas eu gostei de conhecer o ponto de vista de alguns, principalmente de Brandon.

O livro é juvenil - apesar das cenas de sexo narradas. A personagem ainda é adolescente e está descobrindo sobre o mundo, sobre o primeiro amor, sobre o que a fama pode proporcionar. Então é normal que esse envolvimento faça parte da vida de Eve. Sempre quando leio cenas desse tipo em livros eu sempre digo que não sou fã e talvez isso foi um ponto que me deixou incomodada. Exceto isso, o livro é juvenil, porém tem um bom enredo e uma boa narrativa.


"Acho que, quando amamos muito uma pessoa, acabamos ficando tão vinculados ao sentimento de resposta, que qualquer fissura no bem-estar do relacionamento pode ser fatal." (pág. 270)

Muitos momentos eu senti vontade de gritar com Eve, chacoalhar e mandar ela acordar pra vida, viver o momento, aproveitar as oportunidades e não ficar se lamentando pelo o que não aconteceu ou poderia ter acontecido de forma diferente. A vida é apenas uma, então temos que aproveitar o máximo que ela pode nos proporcionar. E, mesmo demorando um pouquinho, acredito que a personagem "caiu na real" e percebeu como a vida pode ser boa se você estiver disposta a aproveitá-la. 

Antes de finalizar essa resenha, quando vi sobre o livro DangeRock me lembrou o livro "apenas respire" da autora Rossana. Por que? O mesmo motivo: tem rock n' roll, tem música, tem banda e tem romance. A diferença maior é que um narra personagem madura e esse narra uma personagem adolescente. Então aqui fica uma dica de leitura para caso você leia - ou já leu esse livro - e goste da leitura.




"Eu sempre me perguntei o que realmente significava a expressão Felizes para Sempre. Ou o que vinha depois daquilo. Daí, depois de todos os eventos pelos quais passei, percebi que o Felizes para Sempre era o hoje. Viver o dia presente ao lado da pessoa amada, fazendo aquilo que mais amamos. Viver com intensidade, na esperança de que o hoje tenha sido muito mais excitante que o ontem. E o amanhã, mais do que hoje." (pág. 284)

Um universo cheio de amor, amizade verdadeira, sucesso, fama, descoberta, aprendizado... DangeRock é um livro completo. O segundo livro "DangeRock 2: Malcom" é contado pelo baterista da banda. Já estou curiosa para saber o desfecho dessa nova aventura.


Avaliação: ❤❤❤❤



Título original: DangeRock
Escritora: M.S Fayes
Editora: Pandorga
Ano de publicação: 2016
Páginas: 288
Gênero: Ficção / literatura brasileira/ romance


SINOPSE | SKOOB
"Eve McGannon lidera a banda DangeRock desde adolescente. Sua voz atrai multidões como um ímã, da mesma forma que sua timidez a impede de confessar seu amor eterno por Brandon Conwell, o guitarrista e amigo de infância que sempre esteve ao seu lado, mas sem nunca percebê-la como mulher. Quando a banda recebe uma proposta irrecusável, o grupo unido se vê imerso em um turbilhão de sucesso absoluto e suas complicações. Isso inclui um astro musical que desperta um poderoso sentimento de ciúmes em Brandon, ao mesmo tempo em que tenta fazer Eve abandonar suas desilusões e ir em busca de novos sonhos. Eles aprenderão que o coração comanda todos os atos dentro e fora do palco. Basta apenas que sigam os sentimentos através das melodias que eles mesmos entoam."


Confira outras resenhas dos livros da autora:

You Might Also Like

10 comentários

  1. Adorei a resenha! Mas tenho duas ressalvas... só duuuuas... o livro começa com ela adolescente, mas evolui pra personagem com 22 anos, daí justificar a descoberta do primeiro amor associada ao envolvimento íntimo mesmo... e olha que ela segurou a onda foooorte. Embora o livro tenha a pegada juvenil, na verdade ele se classifica como new adult, mas no Brasil nós não temos essa categoria, então ele fica enquadrado como “infanto-juvenil”.
    A Eve é a vocalista, então DangeRock 2 não é sobre o vocalista, e sim, sobre o baterista, Malcom. Cada livro fecha o ciclo dos personagens da banda, mas olha... nem era p ter tido DangeRock 2, hein? Hihihi... Os leitores que pediram pelo livro dos outros dois integrantes... aí eu me empolguei!

    Ameeeei a resenha e fiquei feliz q vc gostou!!!

    PS. Amo suas resenhas.

    Bju

    MS Fayes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas ressalvas! Sobre o Malcom eu pensei em baterista e coloquei como vocalista hahaha Foi realmente um erro ali!
      E realmente compreendo tudo que a personagem passou. E adorei todos os acontecimentos e como tudo desenrolou. Senti raiva de alguns personagens, suspirei dos outros, mas o livro é realmente bom.

      Obrigaaaada! Fico tão feliz que você tenha gostado *-*
      Espero ter oportunidade de ler mais livros!

      Beijos.

      Excluir
  2. Oii, eu amo livros que envolvam música e romance, e é muito interessante a autora abordar temas mais sérios como o assédio sexual, além disso a capa tá linda né, amei a resenha.
    - Beijos, Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Estou me aventurando aos poucos em assuntos que abordem música e tudo mais. Mas o que mais gosto na autora é como ela aborda assuntos delicados de uma forma mais leve, sabe?

      Beijos;

      Excluir
  3. Amei as citações que voce escolheu!

    Ja estou te seguindo!

    http://juliamodelodemodelo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      A autora sempre tem quotes boas em seus livros. Recomendo.

      E estou te seguindo também.

      Excluir
  4. Oi oi querida!!
    Adorei a resenha, não me lembro se já tinha lido algo sobre o livro. Mas gostei bastante da obra, e de como foi sincera falando a sua opinião. Espero gostar da leitura, porque pelo que vi essa história é maravilhosa.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto de sempre ser sincera e expressar o que senti no decorrer da leitura. Fico muito feliz que tenha gostado.
      A história é boa mesmo! Recomendo e espero também que curta. Já fico no aguardo para conferir sua resenha.

      Beijos.

      Excluir
  5. Eu quero muito conhecer alguns livros da autora, como Rainbow, mas não consigo realmente me interessar por esse.
    Só o fato de ter um tipo de triângulo amoroso me desanima completamente. Essa coisa da dúvida e da competição me dá preguiça, sinceramente. Acho que é sempre muito óbvio o final.
    Mas, não sabia que o livro falava sobre assédio sexual e achei interessante. É legal quando um autor voltado para o público mais jovem se propõe a desenvolver temas importantes.
    Gostei mesmo da sua resenha é só que algumas de romance me incomodam. Mas, ainda assim, fico muito feliz que você tenha gostado tanto da história.
    Beijos.
    Magia é Sonhar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rainbow é muito bom! Realmente me encantei completamente pela escrita da autora nesse livro e me fez correr para ler o conto. Recomendo!
      Te entendo. Muitas pessoas não gostam de triângulos amorosos. Confesso que eu até gosto, mas tem que saber narrar e acho que isso a Martinha sabe fazer bem. Gosto também do jeito que ela aborda assuntos complicados de uma forma mais descontraída, sabe?
      Espero que dê uma chance e goste dessa história ou de outro livro dela.

      Beijos.

      Excluir

Instagram

NO FACEBOOK

SOBRE

blog PS Amo Leitura
PS Amo Leitura surgiu em 2014 com o intuito de compartilhar o meu amor pela leitura com todos.

o que estou lendo

Skoob