Resenha | Uma dor tão doce, de David Nicholls

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Uma Dor Tão Doce, lançado em fevereiro, primeiramente pelo clube Intrínsecos, é uma obra do autor David Nicholls e vamos conhecer a vida de Charlie.

David Nicholls
Foto: PS Amo Leitura

É 1997.

Após a separação de seus pais, Charlie está determinado a colocar toda a culpa em sua mãe por ter saído de casa, levado sua irmã e o deixando como cuidador de seu pai: um músico falido, dono de uma loja de disco falida e agora, um relacionamento falido.

Além de lidar com a separação, Charlie vê seus melhores amigos se afastando e começa a ir mal nas provas de admissão da faculdade. Como conseguir lidar com todos os problemas sozinho? E é quando ele se depara, acidentalmente, com um ensaio de Romeu e Julieta.

O amor é familiar e ordinário para qualquer pessoa que não participe dele, e o primeiro amor não passa de uma versão desengonçada e hormonal da mesma coisa. (pág. 247)

Sua primeira reação é fugir dessa peça, mas há um bom motivo para ficar: a atriz que interpretará Julieta, Fran Fisher, é a garota mais bonita e confiante que ele já conheceu; totalmente diferente dele – introvertido e sem personalidade forte.

E é nessas férias e em uma peça Shakespeariana que Charlie vai se encontrando e descobrindo sua motivação. Mas até onde essa paixão pode levá-lo?

David Nicholls
Foto: PS Amo Leitura


Esse foi meu segundo contato com o autor.

Lembro quando li Um Dia, fiquei realmente encantada com o decorrer da história, apesar de ter demorado um pouco para me conectar com a mesma e neste livro não foi muito diferente.

Uma Dor Tão Doce é um livro repleto de detalhes. David Nicholls narra todos os acontecimentos bem detalhados, o que tornou a leitura um pouco lenta e até mesmo monótona. Porém, em determinado momento, após alguns acontecimentos, o livro começa fluir melhor.

Apesar de não ter me conectado com os personagens e em muitos momentos fiquei confusa com o que estava acontecendo, devo dizer que gostei da premissa apresentada pelo autor. O teatro era um refúgio para o Charles e era o que ele precisava naquele momento, principalmente com o seu mundo desabando.

David Nicholls
Foto: PS Amo Leitura


Além de tudo, é uma história de amor.

Independente de toda dor e sofrimento que o personagem precisa lidar ao longo da trama, Uma Dor Tão Doce ainda é uma história de amor. Ele mostra como o amor pode mudar nossa vida, não importa quanto tempo passe.

Também é uma história sobre crescer, amadurecer, sair de casa e viver momentos marcantes e capazes de moldar nossa vida e até mesmo quem somos.



O que me chamou mais atenção na obra é que ela não é contada pela versão do Charlies adolescente e sim, por ele adulto. São lembranças, cheias de melancolia, de um verão que mudou sua vida e moldou quem ele se tornou. Para mim, isso foi o ponto mais alto do livro.

David Nicholls
Foto: PS Amo Leitura
A obra não é ruim. É um livro bom, porém não me conquistou da forma como eu esperava. Para quem curte um romance estilo Romeu e Julieta, vai se identificar com esse livro do autor. É um livro que precisa ser lido sem pressa, apreciar os detalhes e descobrir como a vida pode mudar ao longo dos anos.



adicione no skoob: Uma dor tão doce
*em livrarias no dia 23 de abril de 2020


Título original: Sweet Sorrow
Escritor: David Nicholls
Editora: Intrínseca
Páginas: 284
Lançamento: 2020
Gênero: romance

SINOPSE
É 1997 e Charles Lewis passa os dias quentes das férias andando de bicicleta pela cidade. Às vezes ele também lê. Não há nada mais para fazer quando se está afastado dos amigos, a família está caindo aos pedaços e não se tem ideia de qual será o próximo passo. Mas os dias tediosos e vazios de Charlie estão prestes a ter fim.
Ao se deparar com uma companhia de teatro ensaiando Romeu e Julieta, sua primeira reação é fugir, mas ele talvez tenha encontrado um bom motivo para ficar: Julieta. No caso, a atriz que vai interpretar a personagem. Fran Fisher, uma garota bonita, confiante e metida a artista.
Mas quem nos conta essa história, repleta de idas e vindas no tempo, não é o garoto Charles. É o adulto, que, às vésperas de seu casamento, rememora — com uma mistura sutil de humor e melancolia — um verão intenso, que moldou o homem que é hoje.
Em semanas que marcarão sua vida, rodeado por textos do século XVI, figurinos, novas amizades e uma miscelânea de sentimentos inéditos, Charles desviará de conversas sobre o futuro enquanto tentará não ser devorado pela confusão de sua dinâmica familiar. E, ao lado de Fran, vai encontrar uma chance de se redescobrir e reinventar.


10 comentários

  1. Olá, tudo bem? Caramba, é uma pena que a obra não tenha sido tudo o que tu esperava; parece ser uma leitura bem bacana, tenho muita curiosidade. Adorei a resenha e as fotos!!!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não me conquistou tanto, mas ela tem muitas mensagens importantes. Espero que você leia e curta.

      Excluir
  2. Que bela resenha, adorei conhecer o livro por aqui e saber mais a respeito me deixou mais curiosa e empolgada pela leitura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado. Espero que a leitura seja muito boa para ti.

      Excluir
  3. Oi!
    Não conhecia esse livro, mas achei interessante o enredo, o personagem tirar da tragédia da sua vida uma lição, aprender a crescer e evoluir. Sua resenha me deixou curiosa sobre os desafios e as barreiras que ele passou para chegar a ser adulto, as lembranças passadas e a melancolia que sente, me senti completamente conectada. Parabéns pela resenha, estou ansiosa para conferir a história, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenha conhecido o livro por aqui. Se é um estilo de livro que você gosta, então vai se encantar com ele. Espero que seja uma boa experiência para ti!

      Excluir
  4. Eu tenho um pé atrás com o David. Como ele não lhe conquistou, já tem aí mais um ponto negativo no meu potinho de "Devo ler David?". Já perguntei a muitos leitores sobre, mas são bem divididos. Desta vez, eu passo essa leitura e espero que pessoas que achem interessante venham a ler e tirem suas conclusões. Boa resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os livros do autor é muito 8 ou 80. Acho que vale a pena, sim, dar uma chance e, quem sabe, ele te conquiste?!

      Excluir
  5. Oiieee

    Eu nunca li nada do David Nicholls, até tenho curiosidade, mas no momento estou numa ressaca literária tremenda e acho que livros mais detalhistas seriam cansativos demais pra mim. Por enquanto vou deixar essa dica passar, quem sabe futuramente. As fotos ficaram incríveis, e sua resenha tb está maravilhosa.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Olá tudo bem?
    Apesar de conhecer o autor por Um Dia, nunca li nada dele e confesso que essa dificuldade em se conectar com a história me assusta um pouco. Não gosto muito de narrativas detalhistas demais e geralmente não me dou bem com esse tipo de leitura justamente por isso. Mesmo assim, a história parece ser bem interessante, então me vejo engajada a dar pelo menos uma chance ao autor. Adorei a sua resenha, como sempre.

    ResponderExcluir