domingo, 24 de setembro de 2017

[Resenha] Quando Eu Parti

Escritora: Gayle Forman
Editora: Grupo Editorial Record
Páginas: 308

SKOOB

SINOPSE: "Quando um coração falha, não é apenas o corpo que trai. Mas sonhos desfeitos, amores não vividos, destinos cruzados. Maribeth Klein tem a própria cota de problemas: do marido omisso até a chefe e ”ex-amiga” Elizabeth, passando pelos gêmeos superativos. Ela está sempre tão ocupada que mal percebe um ataque cardíaco. 

   Depois de uma complicação inesperada no procedimento cirúrgico, Maribeth começa a questionar os rumos que sua vida tomou e faz o impensável: vai embora de casa.
   Longe das exigências do marido, filhos e carreira, e com a ajuda de novos amigos, ela finalmente é capaz de enfrentar o passado e os segredos que guarda até de si mesma."




Você já sentiu aquela vontade de fugir de tudo e todos, e dedicar um tempo somente para você? Maribeth é essa personagem determinada que deixou de lado seu marido e filhos para cuidar da sua vida, da sua saúde.

Um certo dia Maribeth Klein sentiu uma pontada no peito: estava infartando. Mas por que ela estava infartando? Ela ainda era jovem, tinha seus 40 anos, e se cuidava. Como isso seria possível?


"Era incrível, sinceramente, a rapidez com que era possível se transformar em outra pessoa." (pág. 91)

Foi quando ela percebeu que qualquer pessoa pode infartar em qualquer momento. Não é apenas um coração que começou a falhar, mas o excesso de problemas que ela tinha que lidar todos os dias: um marido omisso do chefe, sua ex-amiga Elizabeth tentando entrar novamente em sua vida, os filhos superativos. Ela estava sempre tão ocupada e atarefada que não percebia os pequenos sintomas surgindo.

Depois de fazer o exame e diagnosticar os motivos do seu infarto, Maribeth decide dedicar um tempo somente para ela viajando para outro lugar sem a presença de ninguém. No começo ela fica relutante em agir dessa forma e deixar tudo para trás, mas se ela não cuidar dela mesma, quem mais cuidaria?


Esse é um livro um pouco diferente que a Gayle está acostumada escrever. Para quem já leu outros livros da autora como Se Eu Ficar, por exemplo, vai perceber que nos livros anteriores ela relata jovens, o primeiro amor, e esse ela relata a vida de uma mulher, com uma enorme decisão e as consequências que virão com isso.

Foi diferente? Foi, mas foi tão ótimo quanto os outros. Nesse YA a autora mostra a realidade de uma mulher e as decisões que ela tem que tomar. Ela passa grande parte da sua vida tomando conta dos filhos e da casa, mas chega em um determinado momento que precisa para e fugir daquilo tudo por conta da sua saúde.


"A verdade o libertará, mas primeiro o deixará infeliz." (pág. 111)

Isso é uma realidade, afinal, quantas pessoas já não pensaram em deixar tudo para trás e seguir uma vida completamente nova, não é mesmo? Gayle relatou isso de uma forma incrível e que me fez refletir sobre alguns momentos da vida; que nos dedicamos demais as pessoas que estão em nossa volta e esquecemos de nós mesmos.

Maribeth é uma excelente personagem: completamente forte e determinada. Quando a autora esteve no Brasil, ela contou no bate-papo que teve um grande problema com esse livro por contar a história de uma mulher que é mãe, principalmente, e abandona os filhos. Mas faça uma análise dos problemas que a personagem estava enfrentando e que ela fez isso para o bem dela, mas que consequentemente pode ter feito bem para as pessoas que convivam com ela.


"Às vezes a melhor maneira de dominar algo é começando pelo início." (pág. 198)

Então antes de julgar qualquer pessoa, faça uma reflexão sobre os problemas dela; coloque-se no lugar dela e pense que se tudo estivesse acontecendo com você, como você reagiria? Como você lidaria com esses problemas do dia-a-dia? E se a única solução para sua melhoria fosse se afastar de todos aqueles que você ama, como você faria?

Única coisa que senti falta nessa história foi um certo detalhe que ficou vago no decorrer do livro. Foi citado, estava com uma grande expectativa para saber o final daquilo e quando cheguei na última página me perguntei: e como isso fica? Acho que, talvez, para a autora não tenha sido um detalhe que precisasse de muita profundidade, porém era algo que caracterizava mais sobre a personalidade da personagem. Enfim, não é algo que irá atrapalhar sua leitura, porém te deixará curioso e cheio de perguntas sobre isso.

"Como é possível amar tanto alguém? Isso deixa você vulnerável demais." (pág. 256)

A dica é: não leia "quando eu parti" esperando um romance fofinho e arrebatador. Há romance, sim, mas é o envolvimento de um casal casado há vários anos; um casal que acaba se desconhecendo depois de um tempo, mas que conseguem uma conexão forte depois de diversos acontecimentos e redescobrem o que é o amor verdadeiro e a felicidade.


"Então as coisas eram assim. As pessoas entravam em sua vida. Algumas ficavam. Outras, não. Algumas se afastavam, mas voltavam para você." (pág. 301)


Avaliação: ❤❤❤❤

2 comentários:

  1. Parece ser um livro forte!
    Nunca li nada da Gayle, mas tenho vontade.
    A resenha ficou muito boa, acho que dá pra sentir o quanto esse livro pode mexer com a gente.
    Beijos <3

    https://leituravorazblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro realmente é forte.
      Sai um pouco do que estamos acostumados com adolescentes, sabe?
      É realmente intenso. Vale a pena ler. E leia algo da Gayle, você não vai se arrepender.

      Muito obrigada <333 Beijos.

      Excluir